CSA vence fora de casa, assume vice-liderança e amplia crise do zerado Criciúma

O CSA nem criou tantas chances, mas foi efetivo e volta para casa com três importantes pontos na tabela da Série B. Na feriado desta terça-feira, o Azulão bateu o Criciúma por 3 a 1 e assumiu a vice-liderança da competição. Do outro lado, o Tigre chegou à quarta derrota em quatro rodadas e vê a crise aumentar. Os gols foram marcados por Didira, duas vezes, e Nino, contra, em uma lambança daquelas. João Paulo, de pênalti, descontou para o Criciúma.

Na próxima rodada, o Criciúma visita o Guarani, terça-feira, às 19h15, no Brinco de Ouro. O CSA recebe o Boa Esporte, no sábado, às 16h30, no Rei Pelé.

O Criciúma segue sem nenhum ponto somado na tabela. Em quatro jogos são quatro derrotas. O CSA vive boa fase, chegou aos nove pontos, em segundo lugar.

O jogo estava empatado, o Criciúma estava em cima para tentar a virada, mas Nino fez algo que ninguém entendeu. A bola estava indo calma e tranquila para o goleiro Luiz, mas o zagueirão foi tentar tirar. A tentativa acabou se transformando em gol contra – a bola encobriu o goleiro.

Didira voltou a ser decisivo para o CSA. O meia, de 29 anos, fez o gol do título alagoano contra o CRB, no mês passado, e nesta terça ganhou destaque em Criciúma. Marcou duas vezes e ainda foi protagonista no lance da expulsão do lateral Marlon, do Tigre.

O Criciúma terminou o jogo com dois jogadores expulsos. Aos 35, Marlon levou o cartão vermelho direto por tentar agredir Didira. Depois, quase no fim, Zé Carlos foi expulso do banco de reservas por reclamação.

O primeiro tempo foi de poucas oportunidades, muita vontade e erros de passes dos dois lados. O Tigre tentou a pressão inicial, se lançou ao ataque, mas faltou qualidade para concluir. No primeiro chute ao gol, o CSA abriu o placar com Didira, que acertou um belo arremate de longe, aos 31. O Criciúma praticamente não assustou a meta do Azulão, apesar de ter mais volume de jogo.

O Criciúma começou a etapa final indo para cima e chegou ao empate logo aos 6 minutos, em cobrança de pênalti convertida por João Paulo. Aos 12, o mesmo João Paulo quase virou o jogo, mas a bola foi tirada em cima da linha por Celsinho. Dois minutos depois, Nino marcou gol contra e fez com o que o time desabasse. Com a expulsão de Marlon, aos 35, o Tigre ficou com um a menos e levou o terceiro gol em belo chute de Didira, por cobertura, aos 37.

Globo Esporte