Jhonatan busca soluções para manter JEC vivo na Série B: “Uma caprichada”

joi

Não está morto quem peleja, já diria um ditado famoso no meio do futebol. Mais uma das frases que podem ser adotadas pelo Joinville, entre os quatro últimos colocados desde a 11ª rodada, e que luta bravamente por uma salvação na reta final de 2016. O otimismo ainda impera, talvez não tanto para a torcida, mas para funcionários do clube e principalmente os atletas, que não jogam a tolha enquanto houver chance mínima para terminar o ano entre os 16 primeiros colocados.

Se a diferença entre o JEC e o 16º colocado, o Oeste, é de seis pontos, há bons motivos para que a matemática assuste menos. Primeiro o adversário já atuou e apenas empatou nesta 33ª rodada, enquanto o Tricolor atua apenas nesta sexta diante do Brasil de Pelotas na Arena Joinville e tem condições de terminar a semana a apenas mais uma vitória do time paulista.

O JEC também já projeta os próximos duelos, contra rivais diretos (ainda enfrenta Sampaio Corrêa, Bragantino e Oeste nas últimas seis rodadas). Para para transformar possibilidade em realidade, o time precisa deixar de pecar nos detalhes.

– O futebol dá essa oportunidade de dar a volta por cima, que a gente consiga somar os pontos para sair dessa zona de rebaixamento. São alguns detalhes que estamos pecando, não está tão difícil, é ter mais atenção e dar uma caprichada que as coisas vão dar certo – disse

– É amenizar os erros, temos que errar o menos possível. Não tem mais desculpas. É estar junto e acreditar muito, isso é o nosso principal objetivo, não desistir e acreditar até o final – completou.

Além de aproveitar os seis últimos jogos até o fim do campeonato (18 pontos em disputa), o Joinville não dispensa a famosa secada nos concorrentes diretos.

– A gente fica nessa, torcendo para que os resultados nos ajudem. Basta a gente fazer o nosso papel, temos confrontos diretos contra Bragantino e Oeste. Temos que pontuar, temos que pensar em vitórias e somar pontos.

Globo Esporte.com