Maxi desequilibra, Vasco bate o Cruzeiro e respira na luta contra o rebaixamento

Muito pressionado ao começar o duelo contra o Cruzeiro com a mesma pontuação da Chapecoense, que abre a zona do rebaixamento, o Vasco contou com a liderança técnica de Maxi López para botar a bola no chão e vencer a Raposa por 2 a 0, neste domingo, em São Januário. O argentino, que deu um lindo corta-luz para o primeiro gol, de Pikachu, foi o responsável por balançar a rede com um belo giro de pé esquerdo, dando uma dose de tranquilidade para o time que sofre com problemas financeiros e políticos refletidos ultimamente dentro de campo.

Com um time alternativo e contando com a volta de Fred, que não começava um jogo desde março, quando se lesionou contra o Tupi, o Cruzeiro foi a sua versão ruim da temporada, aquela que não se encontra principalmente nos jogos fora de casa no Campeonato Brasileiro. Em 15 partidas longe dos seus domínios, são apenas duas vitórias.

Com o resultado, o Vasco dá uma leve respirada na luta contra o rebaixamento, chegando aos 34 pontos. O Cruzeiro segue no meio da tabela, com 37.

Na próxima rodada, o Vasco enfrenta o Sport, sábado, na Ilha do Retiro. O Cruzeiro tem pela frente a Chapecoense, domingo, em Belo Horizonte.

As vaias ao final do primeiro tempo deram o tom do desempenho muito ruim do Vasco até aquele momento. Com um time alternativo, mesmo tendo a volta de Fred depois de longo tempo, o Cruzeiro também foi mal, levando perigo apenas num chute de David, aos 9.

O time da casa tinha mais posse de bola, mas a afobação era grande. Muito pressionado, os comandados de Alberto Valentim não conseguiam encaixar as jogadas. E a torcida, em bom número, pegava no pé principalmente de Fabrício.

Mas foi exatamente dos pés de Fabrício que nasceu o gol vascaíno, logo no início da segunda etapa. O cruzamento rasteiro encontrou Maxi, que fez lindo corta-luz para Pikachu bater de pé esquerdo e abrir o placar. Ao sair atrás, o Cruzeirou tentou reagir, criando algumas chances interessantes. Mano lançou Raniel e Sassá nas vagas de Fred e Bruno Silva. E a Raposa ficou muito perto do empate, em cabeçada de Murilo e chute de Sassá após jogada individual.

Mas a tarde era mesmo vascaína. E a torcida explodiu para festejar o segundo gol aos 24 minutos. A zaga do Cruzeiro cortou mal um cruzamento, Maxi López protegeu de Lucas Silva e, de costas para gol, girou batendo muito bem de canhota, sem defesa para Rafael. 2 a 0.

Enquanto a torcida ainda cantava “Ah, Maxi López”, no mesmo tom que fazia com “Ah, é Edmundo”, mais uma boa notícia. Mancuello deu carrinho perigoso em Andrey e acabou expulso, deixando o Cruzeiro com um a menos.

Em vantagem numérica, o Vasco controlou as ações e por pouco não aumentou, em cabeçada de Ramon e chute forte de Andrey. Com 43 minutos, a torcida pediu “mais um”, dando o tom da mudança de apreensão vivida antes da partida para alívio ao apito final.

Globo Esporte