Outro clássico, mesmo resultado: Figueira sai na frente, e

Outro clássico, mesmo resultado: Figueira sai na frente, e Avaí empata no último lance

Virou rotina no clássico da capital. Pela quinta partida consecutiva, Figueirense e Avaí empataram. Na tarde deste domingo, no Orlando Scarpelli,o Alvinegro saiu na frente, com gol de Jorge Henrique, mas o Leão empatou no último lance do jogo, marcado contra por Zé Antônio. O 1 a 1 sai amargo para os donos da casa, que atuaram com um a mais por um tempo e meio – Luanzinho foi expulso na etapa inicial. Para o time azurra, sentimento de que a igualdade mantém a equipe viva no Campeonato Catarinense.

Tanto Figueirense quanto Avaí deixam o estadual de lado para pensar na Copa do Brasil. O Furacão tenta a classificação à quarta fase diante do Atlético-MG, na quarta-feira, fora de casa. Um dia depois, o Leão recebe o Fluminense, na Ressacada.

Em termos de colocações, nada se altera com a vitória do Figueirense. O Alvinegro segue vice-líder, com 27 pontos, três a menos que a Chapecoense. O Leão vai a 21 e tem cinco jogos para tirar a diferença se quiser ir à final do estadual.

Um gol anulado, um golaço, expulsão de um jogador, dos técnicos e muitos empurrões. Os 45 primeiros minutos do clássico são até difíceis de resumir. Melhor em campo, o Figueirense abriu o placar com André Luis, mas o auxiliar apontou falta do atacante em Betão. No chute de longe de Jorge Henrique, no entanto, a torcida comemorou e aos 22 minutos o Furacão abriu o placar. Quatro minutos depois, um lance que marcou o primeiro tempo: Luanzinho foi expulso por deixar o braço em Betinho. Na sequência, muita confusão e até Claudinei Oliveira e Milton Cruz acabaram excluídos. Com um a menos, o Avaí teve dificuldade para criar, enquanto o Alvinegro controlou a partida.

A etapa final foi de ânimos mais acalmados e o jogador a menos dificultou a vida do Avaí. Com 10, o Leão até tentou criar, mas encontrou uma marcação forte, e o Figueirense controlou o jogo até os minutos finais. Em um último esforço, os visitantes passaram a pressionar e no último lance conseguiu o empate. Marquinhos cobrou escanteio, Zé Antônio desviou contra o próprio patrimônio e decretou a igualdade.
Antes de a bola rolar, houve problema do lado de fora do Orlando Scarpelli. Bombas de gás lacrimogêneo e tiros de borracha no setor da torcida do Avaí. Algumas pessoas foram atingidas pela Polícia Militar no incidente.

Luanzinho foi expulso aos 26 minutos do primeiro tempo e na sequência uma confusão em campo. Troca de empurrões, discussão entre os atletas e também a exclusão dos dois comandantes: Claudinei Oliveira e Milton Cruz.

Expulso, Claudinei Oliveira inicialmente se recusou a sair do campo e quando ia para o vestiário, tocou na cabeça de Betinho, envolvido na expulsão de Luanzinho. Por conta disso, uma nova confusão se formou.

Na última discussão, dois jogadores se desentenderam de uma maneira mais veemente. Pereira e Marquinhos se xingaram, trocaram expulsões e na sequência o camisa 10 acertou com mais força o rosto do volante do Figueirense.

Globo Esporte