Palmeiras completa um ano sem patrocínio; Valdivia apela à torcida: ‘não cancelem o Avanti’

Palmeiras completa um ano sem patrocínio; Valdivia apela à torcida: 'não cancelem o Avanti'

Chateados com a saída de Alan Kardec para o rival São Paulo, torcedores do Palmeiras já se organizam nas redes sociais para cancelar o plano de sócio-torcedor Avanti, que é a “menina dos olhos” da gestão Paulo Nobre à frente da equipe alviverde. Para o meia Valdivia, porém, essa é a maneira errada de agir após a perda do artilheiro do time no ano, com 10 gols.

“Acho que não é legal (cancelar o Avanti), porque sempre ouvi falar que o Palmeiras está acima de todo. Os torcedores têm que torcer pelo Palmeiras. Daqui a pouco, o (Gilson) Kleina sai, o Paulo Nobre sai, os jogadores saem, e o Palmeiras fica. Tudo o que é feito para o Palmeiras é para o bem do clube. O Palmeiras está acima de tudo”, opinou.

O plano de sócio-torcedor palestrino vem experimentando sucesso nos últimos meses. Lançado de maneira desastrada ainda na gestão Luiz Gonzaga Belluzzo, o Avanti foi reformulado nos anos Arnaldo Tirone, quando o Palmeiras alcançou as fases finais da Copa do Brasil. Só pegou no tranco, porém, com a chegada de Nobre, que viu os números crescerem.

Segundo o site do Movimento Por Um Futebol Melhor, que elabora o ranking de programas de sócios entre os times do Brasil, o Palmeiras possui cerca de 40 mil adeptos do Avanti. O clube do Palestra Itália ocupa a sétima colocação entre as equipes do país, atrás de Internacional, Grêmio, Flamengo, Cruzeiro, Santos e Corinthians.

O sonho de Paulo Nobre, como o mandatário já declarou em várias entrevistas, é que o Palmeiras consiga “andar com as próprias pernas” utilizando a renda gerada por um programa de sócio-torcedor, já que encontrar um patrocínio master está difícil: a equipe alviverde está há um ano sem estampar a marca de um parceiro na camisa, vivendo apenas de patrocínios pontuais.

A última vez em que o time do Palestra Itália teve um patrocinador master foi em abril do ano passado, até as quartas de final do Campeonato Paulista. Na ocasião, os alviverdes tinham a montadora Kia Motors como parceira, mas o acordo acabou após a eliminação para o Santos de Neymar, nos pênaltis.

Nobre, inclusive, afirmou que poderia ter segurado Kardec caso o clube palestrino tivesse um número maior de adeptos do Avanti: “Se tivéssemos 140 mil sócios-torcedores, a história seria outra…”, disse o cartola, na mesma entrevista em que detonou a postura do São Paulo durante as negociações com o ex-camisa 14.

No Morumbi, o centroavante ganhará R$ 350 mil por mês, R$ 135 mil a mais do que o oferecido no lado verde da Barra Funda.

Nos últimos meses, inclusive, o Palmeiras vem colocando o logotipo do Avanti, alternando com o da TV Palmeiras, em sua camisa. Tudo na esperança de conseguir aumentar sua base de torcedores/pagadores e conseguir fazer o clube andar com suas “próprias pernas”.

MSN Esportes

Deixe seu comentário